:Licença Creative Commons

quinta-feira, setembro 07, 2006

Cartas de amor

Há uma música que diz que todas as cartas de amor são ridículas ou não seriam cartas de amor... talvez seja verdade, mas também é verdade que não me importava de Ter uma gaveta cheia delas.
Afinal o que há de ridículo nas cartas de amor? Se alguma vez tivesse recebido alguma talvez soubesse responder...mas assim...
O certo é que na era dos e-mails, dos sms e mms as cartas já são vistas como uma espécie de dinossauro da comunicação, será justo supor que desse ponto de vista as cartas de amor sejam realmente ridículas.
Mas bem vistas as coisas uma carta é uma carta...tem corpo, tem forma, tem alma, tem cheiro, tem força e tem uma magia muito especial... será deste ponto de vista justo deduzir que uma carta de amor é um tesouro... raro, afinal só quem teve um grande e verdadeiro amor deve Ter no seu baú de recordações um envelope amarelecido pelo tempo dentro do qual repousam eternamente as mais belas palavras que um coração apaixonado poderá Ter dito...
Ridículas? Talvez... mas que me importava a mim que me chamassem ridícula...se por um momento pudesse sentir essas catadupa de sensações que uma carta de amor provoca...suponho eu...
Afinal e a bem da verdade somos todos progressistas, pró-modernistas a favor do desenvolvimento e das novas formas de comunicação mas no fundo, no fundo quem não gostava de receber uma carta de amor? Mesmo dessas ridículas de que toda a gente fala...
Ah! Eu não me importava de ser uma romântica ridícula e receber cartas de amor ridículas...
E vocês... digam lá a verdade, não gostavam de receber uma carta de amor?