:Licença Creative Commons

domingo, janeiro 20, 2008

Os teus braços

Os teus braços são uma colcha de lã
onde me aninho, me aqueço e me perco,
Onde com o raiar de cada nova manhã
O nosso amor amanhece mais desperto.

Os teus braços são um porto de abrigo
Onde me refugio das tempestades da vida,
Onde tudo pára e o tempo é esquecido,
Onde o nosso amor é embarcação querida.

Os teus braços são a minha força na dor,
São o repouso do meu medo e do cansaço,
São a ponte onde a ternura do nosso amor
Se expande no calor doce de um abraço.


HP/
Às vezes nem só as nossas experiências, as nossas vivências ou a nossa própria vida servem de inspiração para dar asas à vontade de escrever. Às vezes temos de olhar em volta, olhar para os outros, para as suas vidas, as suas experiências, os seus desabafos ou a sua falta deles. Às vezes temos de olhar além do que os olhos nos mostram, às vezes temos de viver a vida dos outros, colocarmo-nos no seu lugar e falar como se fossem as suas palavras.
Este poema é um desses casos… uma história que recolhi em meu redor e que me levou a escrever assim.


Dei-te... e arranquei-te!!!!

Dei-te o meu carinho, o meu amor, a minha atenção,
Dei-te o meu ombro e o conforto da minha mão…
E tu em troca cravaste-me um punhal no coração
E simplesmente deitaste no lixo a minha paixão.

Hoje com vontade e coragem sigo um outro caminho,
Hoje o meu coração está curado e não está sozinho,
Com força, com garra sigo em frente, mas com calma,
Aos poucos restaurei os danos que me deixaste na alma.

Hoje, a pouco e pouco esqueci a dor da humilhação,
Esqueci a raiva e o ódio que me trouxe a tua traição,
Esqueci que já foste o meu seguro e a minha perdição,
Hoje, como uma erva daninha, arranquei-te do coração.