:Licença Creative Commons

terça-feira, julho 22, 2008

Até ao vinho


Do trabalho árduo das mãos dos lavradores
que cuidam os seus preciosos vinhedos,
que sem olhar a fadigas nem a dores
as tratam segundo ancestrais segredos
hão-de nascer cachos feitos de ricas uvas
maduras pelo sol e abençoadas pelas chuvas.
Quando por fim o dourado Outono chegar
hão-de vindimar-se esses preciosos cachos,
laboriosos pés os hão-de pisar e repisar
num velho ritual destinado apenas a machos,
esse mosto há-de repousar e há-de ferver
para em velhos barris por fim se verter.
Do mosto que nasceu cacho na primavera
se fará o néctar dos deuses chamado vinho
que depois de silenciosa e cuidada espera
será por fim provado em dia de São Martinho,
e quando é bom o resultado há sorrisos no ar
pois afinal valeu a pena todo o duro trabalhar.
Cada copo de vinho tem uma história a contar
que começou nas vinhas, nas podas, no atar,
no desladroar, no desparrar e por fim no colher
e tudo mais que foi preciso para o podermos beber!

(Participação no 11º Concurso Literário do site Luso-Poemas com o tema "O Vinho" - 2008 - 13º Lugar)

Sem comentários:

Enviar um comentário