:Licença Creative Commons

quinta-feira, maio 21, 2009

Novidades!

É com prazer que partilho com aqueles que me agraciam com a sua passagem por este blog a alegria de ter ganho um concurso.
Trata-se do III Prémio de Poesia em Rede alusivo ao tema "As crianças" e no dia 20 deste mês foi tornado publico o resultado da votação dos participantes do concurso (uma vez que são eles que escolhem através da sua votação o seu preferido)conforme passo a transcrever:


"Quarta-feira, 20 de Maio de 2009

É com o maior prazer que anunciamos que o Poema Vencedor do Terceiro Prémio de Poesia em Rede é:


Poema nº 50

Meninos da Rua
da autoria de Hisalena

Este foi o poema que os participantes-votantes deste Terceiro Prémio de Poesia em Rede elegeram como melhor poema, e com vantagem significativa em relação aos restantes, pelo que é único vencedor.

Parabéns à Autora do Poema!

Obrigado a todos os que votaram! "


Foi com alegria e surpresa que recebi a noticia porque todos os 81 poemas apresentados tinham muito valor e muita qualidade pelo que desde já dou os meus parabens a todos os participantes e faço votos de que continuem a mostrar o seu amor pela poesia.

E já que partilho com todos vós as boas notícias, partilho também o poema que me trouxe esta grande alegria.


Meninos da Rua

Meninos que têm o Mundo no olhar,
sonhos adormecidos sob a luz do luar,
lençóis feitos de chuva, de frio e de vento,
cobertores tecidos com mágoa e sofrimento.

Meninos que têm a cidade na sola do pé,
coração perdido que não sabe quem é,
conta corrente feita na palma da mão,
conta poupança para água e para pão.

Meninos adultos que não foram crianças,
desgostos que nunca foram esperanças,
desilusões de uma vida sem sentido,
meninos de rua neste Mundo perdido.

Meninos que têm nos olhos a mágoa,
tristeza em forma de leves gotas de água,
sonhos que adormecem à luz da lua,
rostos esquecidos dos meninos da rua.

Meninos sozinhos que são filhos do vento,
carinhos que nunca tiveram um momento,
meninos que fizeram da dor a sua mãe,
meninos que só têm a rua e mais ninguém.

Hisalena