:Licença Creative Commons

domingo, janeiro 24, 2010

Update sobre o meu livro


Hoje venho ao vosso encontro por três motivos, todos eles relacionados com o mesmo tema:

1º Informar que já é possivel adquirir o meu livro (em papel) online através do link que se segue:
http://www.worldartfriends.com/store/443-helena-pinto-emocoes-a-flor-do-verso.html

2º Informar que também já é possível adquirir o meu livro em formato de e-book através do seguinte link:
http://www.worldartfriends.com/store/397-emocoes-a-flor-do-verso.html

2º Agradecer as palavras e manifestações de incentivo, carinho e apreço com que me têm agraciado.
É muito bom ouvir coisas boas, e até menos boas, sobre o nosso trabalho porque são essas opiniões que nos incentivam a fazer cada vez mais e melhor.

Obrigada!

sexta-feira, janeiro 22, 2010

E se um dia...como no Haiti?

E se um dia acordasse com o chão a estremecer?
E se um dia sentisse sobre mim o peso das paredes a abater?
Que faria? Que faria se um dia o mundo que sempre conheci
Ficasse reduzido a um monte de escombros poeirentos?
Que faria? Que faria se um dia tudo aquilo que vivi
Se perdesse em gritos desesperados e sangrentos?
Que faria? Que faria se se esvaíssem em nuvens de nada
Aqueles que amei, aqueles que habitam dentro do meu coração?
Que faria? Que faria se numa manhã de forma inusitada
Toda a minha vida se resumisse a um monte de destruição?
Que faria? Que faria se das profundezas do mar se erguesse
Irado um gigante em espasmos de violento tremor?
Que faria? Se num piscar de olhos tudo desaparecesse
E se nada restasse além do medo, da morte e do horror?
Que faria? Que faria se um dia acontecesse aqui
Uma tragédia semelhante à que varreu o Haiti?

sexta-feira, janeiro 08, 2010

Ano Novo


Ano Novo


Tocam as doze badaladas no sino lá da igreja
E em cada passa põe-se o sonho que se deseja,
Uma nota no bolso para muita sorte e fortuna
E o champanhe traz uma vertigem de espuma.

Deitam-se fora coisas velhas na esperança, talvez,
Que o ano que passou as enterre de uma vez,
Há foguetes a estoirar e tampas de tachos a bater
Para afugentar o mal que se quer de vez esquecer.

Há muita festa e alegria, há risos e animação,
Uma nova esperança acesa dentro do coração:
Que este ano novo que ainda agora aqui chegou
Não seja de todo pior do que aquele que acabou.