:Licença Creative Commons

terça-feira, janeiro 22, 2013

Caminho por aí...

Caminho por aí sem rumo nem direcção,
caminho por aí sem saber por onde vou,
caminho ao som latejante de um coração
que a tua cruel indiferença quase matou.

Caminho por aí no meio da vasta multidão,
caminho por aí sem memória ou lembrança,
caminho por aí para enganar esta solidão
que não me dá tréguas e nunca se cansa.

Caminho por aí ao sabor do vento corrente,
caminho por aí no silêncio deste vazio,
caminho por aí sozinha no meio da gente
que me arrasta, me atropela e me agonia.

Caminho por aí como um errante vagabundo,
caminho por aí em busca do que se perdeu,
caminho por aí e calcorreio meio mundo
em busca desse outro ser chamado EU!

quinta-feira, janeiro 17, 2013

Em busca de outra sorte

Trago esta ansiedade cravada em mim como um punhal,
como uma poção mágica que me abafa e me faz mal,
como um fantasma que me assombra e inquieta,
como uma sonolência que não me deixa estar desperta.
Trago esta angústia presa em mim como uma maldição,
como uma força estranha que me vai minando o coração,
como um dor que aos poucos me vai vencendo e derrubando,
como um ferro em brasa que por dentro me vai queimando.
Trago esta tristeza ancorada em mim como barco no cais,
como um conjunto de negras conjunturas astrais,
como um fardo que arrasto sem saber porque razão,
como uma alma imensa carente de carinho e compreensão.
Trago a alma triste, cansada, sem rumo nem direcção,
como uma folha que se sopra ao vento da palma da mão,
como uma bússola usada que já não encontra o norte,
como um caminhante errante em busca de outra sorte...

quinta-feira, janeiro 03, 2013


Começo de ano… tempo de olhar em frente e de fazer o balanço do que ficou para trás.

2012 não foi propriamente um bom ano… em muitos aspetos. Houve coisas boas, coisas menos boas e coisas más… houve risos, lágrimas, revolta, mágoa, tristeza… e sei lá mais o quê-

Olhando para trás vejo que talvez tenha magoado algumas pessoas… lamento…

Vejo que decepcionei algumas pessoas… não intencionalmente mas aconteceu… preferia que não tivesse acontecido mas já que aconteceu só posso pedir desculpa. Contudo por certo não desiludi essas pessoas tanto como me desiludi a mim mesma… espero que com o passar do tempo as coisas mudem…e a decepção se torne em algo menos complicado de carregar.

Vejo que as pessoas raramente são aquilo que vemos… aquilo que pensamos… aquilo que queremos que elas sejam. Vejo pessoas que depois de anos desapareceram da minha vida sem uma palavra, sem um sinal, sem um adeus…

Vejo pessoas que quando as coisas se tornaram complicadas simplesmente viraram as costas… esqueceram-se como se telefona ou se manda um e-mail…esqueceram-se simplesmente de estar lá…

Vejo pessoas que quando as coisas se complicaram se revelaram nas suas palavras, nos seus gestos, no seu apoio… no simples facto de saber que estavam ali… a essas o meu obrigada!
Vejo pessoas que depois de anos entraram de novo na minha vida por obra do acaso, como num passe de magia...

Vejo que as coisas nem sempre correm como queremos, que as pessoas nem sempre são o que esperamos, que a vida nem sempre é o que desejamos e que o tempo passa e não volta atrás.

Vejo que há coisas que quando se perdem não voltam… há pessoas que quando partem não regressam… há sentimentos que quando se quebram não voltam jamais a ter o mesmo sentido…há dentro de nós um sem número de outros “eu” que nem sequer sabíamos que existiam… há dentro de nós sentimentos com que não sabemos lidar… há situações que ninguém nos ensinou como enfrentar… há decepções que não sabemos como ultrapassar…

Quando olho para trás vejo isto e muito mais… quando olho para a frente… bom… vejo nuvens, turbulência, trovoada, vejo nevoeiro e tempestade… mas acredito que por trás disso tudo se esconde um raio de sol… um pequeno raio de sol brilhante, quente e acolhedor que aos poucos se vai tornar num sol reluzente que vai fazer com que tudo fique melhor…