:Licença Creative Commons

sexta-feira, junho 26, 2015

DESABAFO!!!!!!!!!

Mediante algumas publicações que tenho lido ultimamente e que se referem a actos praticados em Portugal que implicam a tortura e morte de animais verifico que em nome da manutenção da tradição se continuam a perpetrar actos de barbárie para com os animais: a morte do touro em Barrancos, a imolação de um gato nas festas de Mourão em Vila Flor, galos mortos à paulada por pessoas vendadas enquanto o pobre animal está enterrado até ao pescoço em Ruivães, para não falar de outras igualmente bárbaras e desumanas que devem andar por aí camufladas. Em nome da tradição continuamos a manter ritos bárbaros e cruéis que envergonham qualquer pessoa e enxovalhamos um país que se diz democrático, civilizado e evoluído.
Obviamente há tradições igualmente más ou piores por esse mundo fora: o touro de fogo em Espanha, a imolação de cães e gatos num famoso festival na China, galos enterrados até ao pescoço e mortos à paulada no Brasil, apenas para enumerar alguns. Tudo actos de pura barbárie, importados de tempos remotos e que se mantêm em nome da tradição. Surreal, revoltante e vergonhoso! A tradição não pode ser mantida a qualquer custo.
Mas depois concluo uma coisa triste: se a humanidade é capaz de preservar estas práticas bárbaras e achar normal a morte de animais inocentes para divertimento de outros como nos podemos espantar quando a mesma humanidade mata e tortura membros da sua própria espécie? Porque há algumas centenas de anos era comum queimar pessoas vivas devemos perpetuar essa prática? Porque há centenas de anos as pessoas eram imoladas e oferecidas como sacrifício aos deuses devemos manter essa prática? Porque há centenas de anos se martirizavam e torturavam pessoas é válido continuar a fazê-lo?
Podem a história e a tradição justificar qualquer prática bárbara, cruel, degradante, nojenta e vergonhosa? Podem a história e a tradição justificar a morte de seres vivos? Não…não… mil vezes não! Não podemos olhar e ficar calados sem fazer nada! Não podemos aceitar que uma sociedade que se quer evoluída e civilizada tenha este tipo de atitudes! Não podemos aceitar uma civilização que acha que matar, torturar e sacrificar vidas, sejam de pessoas ou sejam de animais ou banal e divertido!
Lutamos pelos direitos da humanidade, por uma sociedade livre, civilizada, estruturada, desenvolvida, capaz de enfrentar as adversidades dos tempos modernos e depois permitimos comportamentos da idade das trevas!
Se me choca ver a facilidade com que se mata, com que se bombardeia, com que se explode, com que se tortura, com que se extermina a vida humana? Claro que sim! Se me espanta? Tristemente não! Porquê? Porque somos nós que alimentamos com ao silêncio estes comportamentos que somos responsáveis por eles! Somos nós que ao mesmo tempo que através do exemplo ensinamos às novas gerações que actos destes são justificáveis depois nos admiramos quando algum miúdo decide matar meia dúzia de colegas na escola!

Será que se perdeu assim tanto a noção do valor da vida? Seja de quem for… vida é vida, caramba! Por este andar daqui a meia dúzia de anos vamos estar outra vez a acender fogueiras e a queimar pessoas!

sábado, junho 13, 2015

https://youtu.be/C_IDjNj8RNI
Antes de mais obrigada ao Dr. Hélio Antunes, Vereador da Câmara Municipal de Ferreira do Zêzere, e ao Dr. Armando Cotrim, Coordenador da Biblioteca Municipal Dr. António Baião, pelo generoso convite para participar na Feira do Livro e pela oportunidade de falar um bocadinho mais acerca da minha aventura no mundo das letras. Obrigada a todos os que se dispuseram a deslocar-se à Biblioteca Municipal num fim de tarde de Sexta-feira para me ouvirem, pelas simpáticas palavras que me dirigiram.
Foi uma honra e um privilégio partilhar convosco um belo fim de tarde.

quarta-feira, junho 03, 2015

2º Lugar... nada mal, hem! no Desafio de Poesia: Meditações sobre a Palavra"



Palavras, palavrinhas e palavrões

Palavras, palavrinhas e palavrões,
Há de tudo e para todas as ocasiões…
Há as que consolam e confortam o triste ser,
Há as que alegram e animam até mais não poder,
Há as que fazem o coração ficar desassossegado,
Há as que fazem o mundo parecer todo dourado,
Há as que são perfumadas como belas flores,
Há as que dão origem a grandes e loucos amores…
Palavras, palavrinhas e palavrões,
Há de tudo para todas as ocasiões…
Há as que ferem e magoam bem fundo o coração,
Há as que despropositadas matam logo a situação,
Há as que ofendem e fazem a lágrima correr,
Há as que diminuem e nos fazem querer desaparecer,
Há as que maltratam cheias de mágoa e rancor,
Há as que matam qualquer leve réstia de amor….
Palavras, palavrinhas e palavrões,
Há de tudo para todas as ocasiões…
Há as que dizem mais que mil gestos de bem-querer,
Há as que magoam mesmo sem o quererem fazer,
Há as que enchem a vida de sol, de luz e de cor,
Há as que pintam o sonho de raiva e de rancor,
Há as que prendem como poderosa amarra,
Há as que usamos para meditações sobre a palavra...