:Licença Creative Commons

quinta-feira, março 16, 2017

Saco vazio

Estava farto! Farto de coisas que lhe lembravam dela! Era como se as lembranças o perseguissem em cada lugar, em cada cheiro, em cada objeto... como se ela tivesse impregnado a sua vida e não houvesse forma de a eliminar.
Estava cansado de recordar...cansado de se lembrar dela...de a associar a cada lugar onde ia...de a sentir no cheiro familiar do perfume de alguém com se cruzava na rua... estava cansado de viver com ela sem que ela estivesse presente...
Naquela tarde encheu-se de coragem...entrou em casa, pousou as chaves, foi ao quarto mudar de roupa, vestiu um fato de treino confortável, foi à cozinha abriu a gaveta e retirou um saco para o lixo. Inspirou... e nessa tarde revirou todos os recantos da casa, revoltou todas as gavetas, todos os armários, todas as prateleiras e todas as caixas...vasculhou minuciosamente cada milímetro do seu espaçoso apartamento...e ao fim de algumas horas, cansado, sentou-se no sofá e olhou para o saco...estava vazio! Percebeu então que há muito havia eliminado todos os vestígios dela da sua casa, do seu espaço...só não havia conseguido eliminá-la da sua lembrança e do seu coração...

sábado, março 11, 2017

A mochila...

A vida é como uma mochila que nos é dada quando iniciamos a nossa breve passagem por este mundo. É uma mochila que nos vai acompanhar ao longo de todo o percurso que formos fazendo, de todos os passos que formos dando e de todas as etapas e fases que vamos atravessando.

Cabe a cada um de nós decidir que mochila quer: se uma mochila cheia de tudo e mais alguma coisa, onde colocamos tudo o que apanhamos e que com o avançar do tempo vamos arrastando penosamente sem sequer ter oportunidade de apreciar o caminho, de olhar em volta ou de aproveitar um momento para descansar e respirar...ou se uma mochila onde colocamos apenas o que nos faz bem, o que nos faz rir, o que nos faz crescer, o que nos motiva, o que faz de nós pessoas melhores e que vamos carregando serenamente enquanto apreciamos a paisagem, enquanto observamos o caminho e enquanto respiramos e aproveitamos a viagem.

Cabe a cada um de nós decidir se quer apenas passar pela vida ou se quer de facto vivê-la!