Avançar para o conteúdo principal

Homens Meninos

Homens de olhos vazios que nunca foram meninos,
homens tristes com fome de esperança e de pão,
rostos marcados pelos horrores e desatinos
de uma guerra que lhes roubou toda a razão.
Homens que são apenas meio palmo de gente,
homens que são somente pequenas crianças,
corações oprimidos de quem no fundo sente
que nada fica quando se matam as esperanças.
Homens que lutam numa guerra sem razão,
homens que matam sem saber sequer porquê,
feridas que não se podem tocar com a mão
porque apenas a vista do coração as vê.
Homens que cresceram sem nunca ter crescido,
homens soldados numa guerra sem razão,
homens que são sem afinal nunca terem sido
mais do que crianças com armas na mão.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quadras à vida

(imagem Google) A vida pode ser uma bela poesia que cada um é livre de escrever usando letras da mais pura alegria ou palavras de mágoa e de sofrer. A vida é de entre todos o maior poema que ao nascer começamos a escrever é um complexo e delicado esquema que cabe a cada um de nós perceber.

Olha... E pensa...

Estás cansado de estar em casa?  Não fazes mais nada do que reclamar da vida,  do azar,  do incomodo e da tua desgraça? Não sabes o que fazer com o tempo que sempre reclamaste não ter?   Bom... É uma forma... Diria eu,  egocêntrica e egoísta de ver as coisas. Já paraste para pensar que há quem não tenha casa,  quem não  tenha comida,  quem não tenha família?  Já pensaste que há pessoas a morrer sozinhas em camas de hospital e a ser cremadas sem direito a acompanhamento,  nem despedidas,  nem dignidade?  Já pensaste que há pessoas a expor-se todos os dias para poderes reclamar de ter comida na mesa?  Já pensaste que o teu avô ou talvez o teu pai teria dado tudo para ficar em casa quando lhe puseram uma arma na mão e o embarcaram para uma guerra noutro continente? Já pensaste que há quem esteja tão farto como tu mas que em lugar de se sentar a carpir arranje formas de ver o lado positivo?  Já pensaste que tens um tecto,  cama,  comida,  roupa lavada e saúde... E que há quem espere a sua

Desabafo...que poucos entendem

Já passaram muitos anos...mas quem viveu de coração, não esquece as regras, os lemas e os valores que aprendeu.  Quem um dia serviu o seu país, honrou a farda que vestiu e guardou no peito o orgulho de ter feito parte dessa grande família, não esqueceu o que aprendeu, não arrumou no fundo de uma gaveta os valores que lhe incutiram, nem tão pouco pôs de lado os lemas que um dia o guiaram. Não fica ninguém para trás...nem os mortos. Quem não sabe obedecer também não sabe mandar. Nada vale mais que a vida humana. Cumprir para além do dever. Fazer mais do que o melhor que se consegue. Cumprir e fazer cumprir. Quem não sabe fazer também não pode exigir. Servir, sem esperar ser servido. Fazer, sem esperar ser visto. Respeita para seres respeitado. São coisas que ficam, que se colam como uma segunda pele, coisas de que, por mais tempo que passe, não nos conseguimos distanciar. São esses valores, essas noções, essas ideologias que muitas vezes nos guiam, que nos levam a tomar de