Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Outubro, 2007

Hoje fiz uma promessa

Hoje fiz uma promessa a mim mesma e vou cumprir, Custe o que custar vou ser capaz de manter a intenção, Vou mandar embora a tristeza e olhar a vida a sorrir, Vou abrir à vida as portas trancadas do meu coração. Hoje jurei a mim mesma que tudo vai ser diferente, De hoje em diante as coisas vão mesmo mudar, De hoje em diante vou encarar a vida mais sorridente E vou de vez apagar os que insistem em me magoar. Hoje fiz uma promessa a mim mesma e vou cumprir, Vou deixar de me preocupar com quem não merece, Vou deixar de perder tempo com coisas sem sentido, Não vou mais tentar prender o que insiste em partir, Vou deixar o tempo agir porque ele tudo desvanece, Vou resgatar aquele outro eu que quase dei por perdido!

Lágrimas

Na areia húmida desta praia deixo a marca dos meus passos Impressa com a força do meu desanimo e dos meus cansaços, Marcas que se vão apagando com as lágrimas que se escapam Dos meus olhos, lágrimas que me atormentam e me matam. Lágrimas de terna saudade da pessoa que eu já fui um dia E que se perdeu algures nos labirintos desta vida estranha, Lágrimas de mágoa por tudo o que em tempo sonhava e queria E que com o tempo se tornou numa ilusão fosca e tamanha. Lágrimas que o vento que corre ao cair desta tarde outonal Aos poucos vai enxugando até ficarem apenas finos traços, Lágrimas que se misturam com o salgado das ondas do mar, Lágrimas que me lembram que tudo um dia tem o seu final, Lágrimas que vão além dos sentidos, das almas e dos espaços, Lágrimas de quem hoje desistiu de continuar a sofrer e a chorar.

Se eu pudesse amiga...

Ah amiga! Se eu pudesse aliviar essa tua dor, se eu pudesse secar as lágrimas do teu rosto, se eu pudesse dizer-te que tudo vai ficar bem, se eu pudesse evitar que sofresses por amor, se eu pudesse mitigar esse teu desgosto, se eu pudesse aliviar o teu sofrer por esse alguem... Ah amiga! Se eu soubesse que palavras te dizer, se eu soubesse como devolver-te o teu sorriso, se eu soubesse como trazer de volta a tua felicidade, se eu soubesse como te aliviar esse penoso sofrer, se eu soubesse qual o passo de magia que é preciso, se eu soubesse como te ajudar a enfrentar a verdade... Ah amiga! Se eu pudesse livrar-te desse penar podes crer que o faria sem pensar nem hesitar, se eu soubesse quais a palavras certas para dizer podes crer que as diria de cor sem me perder, se eu pudesse...mas tudo o que tenho para ofertar são os meus ouvidos e o meu ombro para chorar... HP/ (A uma amiga especial ... força miúda!!!!)

Perdi-me algures...

Perdi-me...algures nos labirínticos caminhos desta vida perdi-me... não sei se virei no local errado ou se segui em frente no sentido proibido, não sei se errei o destino ou simplesmente rasguei a direcção, não sei se tomei algum atalho sinuoso ou trilho já esquecido, não sei se apenas entrei na auto-estrada do existir em contra-mão, apenas sei que me perdi...algures nos labirínticos caminhos desta vida perdi-me. Perdi-me...algures nos labirínticos caminhos desta vida perdi-me... perdi-me dentro de mim, daquilo que eu acreditava ser a minha essência, perdi-me do que eram os meus sonhos, os meus desejos e projectos, perdi-me do que eu projectava que viria a ser a minha vivência, perdi-me de mim na esperança que os dias passassem mais completos... perdi-me...e agora nos caminhos desta vida tento em vão encontrar-me...