:Licença Creative Commons

sexta-feira, janeiro 05, 2018

O possível impossível

Não existem impossíveis dizem uns... isso tudo é impossível dizem outros... deixando-nos na dúvida do que é ou não impossível.
Na verdade existem impossíveis...e muitos... é verdade...sabem porquê? É simples na verdade: impossível é tudo aquilo que não tentamos! Impossível é tudo aquilo que não experimentamos! Impossível é tudo aquilo que não vivemos!
Tudo o que não fazemos é impossível para nós, obviamente. Mas se tentarmos...se experimentarmos...se vivermos... chegamos à conclusão de que há muito mais possíveis do que impossíveis.
O impossível é a diferença entre tentar e não tentar...entre fazer e não fazer... entre arriscar e não arriscar...entre fazer e não fazer... entre acreditar e não acreditar.
O impossível é apenas o possível ainda não tentado :)

quarta-feira, dezembro 27, 2017

Ano Novo... Vida Nova

Aproxima-se mais um final de ano…mais um ciclo que se encerra para dar lugar a outro novo…mais uma oportunidade de fazer um balanço, de olhar para trás e ver o que fica e o que segue connosco para mais um ano.
Durante este ano aconteceu muita coisa, pessoas entraram na nossa vida para ficar, outras fizeram apenas uma breve passagem, outras cimentaram o seu lugar na nossa vida… umas surpreenderam-nos pela positiva outras pela negativa…umas ajudaram-nos a crescer, a descobrir mais sobre nós, a evoluir e a amadurecer, outras lembraram-nos que viver é uma prova de perícia diária…
Por baixo da ponte passaram águas agitadas e turbulentas, indecisões, frustrações, medos e ansiedades… mas também correram alegrias, sorrisos, afectos, conquistas, evoluções e descobertas… no fim de contas a balança pende para o lado positivo.
A todos os que este ano, de alguma forma, cruzaram ou partilharam este caminho duas coisas a dizer: obrigada por tudo o que correu bem, por tudo o que contribuiu para o meu crescimento e para a minha evolução e espero por vocês em 2018 para continuar a caminhada…desculpem por tudo o que possa ter sido menos bom, pelas coisas que possam não ter corrido bem, fica a resolução de para o ano tentar fazer melhor.

A todos em geral e a cada um em particular heis o que vos desejo para 2018, que já está aí ao virar da esquina:

- que os vossos sonhos mais preciosos se possam tornar realidade;

- que os vossos projectos mais ambicionados se concretizem;

- que os vossos desejos mais profundos possam ser alcançados;

- que a saúde, a persistência, a coragem, a força, a amizade, a esperança e a luz sejam vossa companhia permanente;

- que cada derrota e cada momento menos bom não sejam mais que um degrau para alcançar  a vitória e o sucesso e que não vos façam desistir daquilo em que acreditam e desejam;

- que todos os obstáculos sejam oportunidades de crescer, de evoluir, de amadurecer e de construir pessoas cada vez mais completas e melhores;

- que haja sempre alguém que ampare os vossos vacilos, que celebre as vossas conquistas, que chore as vossas tristezas e que ria com as vossas alegrias;

- que na vossa vida permaneçam aqueles que caminham ao vosso lado, aqueles que fazem o dia ficar mais bonito apenas por existirem, aqueles que vos enchem de luz, de ternura e de vida, aqueles que vos aceitam e vos amam como são e pelo que são, aqueles que mesmo longe estão sempre perto;

- que encontrem sem procurar o que procuram sem encontrar, que se permitam viver, que se permitam crescer, que se permitam sonhar, que se permitam ir mais além sem medo e sem vergonha, sem receio da negatividade dos que vos olham de soslaio;


- que de uma forma ou de outra os nossos caminhos se continuem a cruzar, que possamos consolidar, manter ou aperfeiçoar os laços que de uma ou de outra forma nos unem.

Beijos para quem é de beijos, abraços para quem é de abraços, ambos para quem gosta de aproveitar tudo aquilo a que tem direito e Próspero 2018 para todos! Até já!

domingo, dezembro 17, 2017

Não te diminuas...

Não diminuas as tuas conquistas, não encolhas os teus sonhos, não reduzas os teus pensamentos só porque achas que os outros os vão achar ridículos e pequeninos.
Deixa-os achar!
Eles têm os sonhos deles, os objectivos deles, as conquistas deles... tu tens de lutar pelas tuas, tens de acreditar em ti e sobretudo acreditar que és capaz! Tu só tens de te preocupar com o que conquistas...porque essas são as tuas metas! 
Não compares conquistas...porque os objectivos não são iguais!
Não deixes sonhos para trás por vergonha... porque são os teus sonhos!
Não compitas pela atenção dos outros... ganha-a!
Não desistas dos teus objectivos...porque eles são a tua motivação!
Não deixes que te façam sentir como se as tuas coisas não tivessem valor... lembra-te que já dizia o ditado que o pouco de alguém é o muito de outro!
O teu pouco é o teu muito... que se lixe o que os outros pensam, o que os outros dizem, o que os outros que te querem fazer acreditar! 
Não penses o quanto o teu pouco pode ser motivo de chacota por parte de uns, pensa antes que o teu pouco pode ser a motivação e a inspiração de outros!
Não penses que não tens valor... pensa apenas que nem toda a gente consegue ver o brilho das estrelas!
Não te diminuas... sê quem és porque é apenas isso que faz sentido e que importa para aqueles que vêem em ti o que tu és e não o que queriam que tu fosses! 

domingo, dezembro 10, 2017

Últimas cores...





As últimas cores de Outono vestem-me a alma de esperança,
sei que uma época termina para dar lugar a uma outra,
sei que para além do que a alma sente e a vista alcança
uma nova época, uma nova fase começa aqui e agora.
Despe-se o manto de cores douradas, de tons de vermelho,
veste-se o manto de frio, de vento, de chuva e branca neve,
esconde-se a quente alma adormecida atrás de um espelho
que sem luz, sem sol, sem esperança de pouco ou nada serve.
Morrem as folhas, despem-se as árvores, arrefecem as emoções,
hibernam alguns animais e, a bem da verdade, alguns sentidos,
adormecem sonhos, para mais tarde despontar em novas sensações,
em novas etapas, novas vidas, em despertar de amores esquecidos.
As últimas cores do Outono trazem esperança e espalham tristeza,
encerram um ciclo e dão lugar a outros plenos de novas sensações,
trazem consigo a eterna e por vezes tão esquecida certeza
de que a vida é feita de ciclos, de renovação... de tantas estações...

segunda-feira, dezembro 04, 2017

Sugestão :)

https://www.bubok.pt/livros/7920/Ser-de-sombra-e-Luz

Excerto

(...)Sentia-se angustiado, meio perdido, não sabia que rumo tomar, sentia-se num conflito permanente entre o que sentia e o que na verdade tinha vontade de fazer, sentia-se preso… e embora aos poucos fosse tomando pequenas atitudes que lhe permitam viver consigo mesmo e com os outros pacificamente, sabia que não chegava…sentia-se à beira da rotura e sabia que precisava de ar, de vento, precisava de espaço, de silêncio para ouvir os seus pensamentos e sobretudo de paz para aquietar o coração. (...)

sexta-feira, dezembro 01, 2017

Faz-me falta




Por vezes faz-me falta o teu silêncio ensurdecedor,
faz-me falta sentir a tua revolta desfeita em espuma,
faz-me falta ouvir das tuas ondas o rebelde clamor,
faz-me falta ver aquilo que a vista não vislumbra...
Por vezes faz-me falta a tua voz serena e branda,
faz-me falta sentir a tua leve e ondulante vibração,
faz-me falta ouvir desfalecer no areal a tua demanda,
faz-me falta ver a vida com os olhos serenos do coração...
Por vezes faz-me falta o abraço silencioso da tua calma,
faz-me falta sentir a tua magnética e estranha atracção,
faz-me falta ouvir a voz da ondas que traz a calma,
faz-me falta ver para além da primeira percepção...
Por vezes faz-me falta o teu silêncio ensurdecedor,
faz-me falta sentir o teu aconchego e conversar,
faz-me falta ouvir a tua voz cheia de luz e calor,
faz-me falta ver a tua perfeita imensidão... oh mar!

Terapia...

Todos precisamos de terapia...calma... não levem tudo ao pé da letra... todos precisamos de terapia, de uma forma de extravasar, de pôr cá para fora o que nos aflige a alma e nos atormenta o coração, de deixar sair as frustrações, as angustias os medos e as incertezas da vida e do dia-a-dia. 
Terapia não tem de ter o sentido convencional, o sentido médico, não tem de ser uma ida ao psicólogo ou ao psiquiatra, embora seja legitimo que o possa ser.
Cada um tem a sua própria forma de lidar com os barulhos da sua cabeça e a sua forma de esvaziar o âmago para poder continuar... para conseguir seguir em frente, para não se deixar ficar para trás refém do medo e da incerteza.
Cada um de nós precisa de uma fórmula mágica que nos permita ouvir os nossos pensamentos, silenciar os nossos ruídos interiores e acalmar as nossas almas atribuladas.
Há quem para isso sinta necessidade de ir fazer compras, há quem sinta necessidade de se sentar num banco de jardim a ler um livro, há quem precise de ir ao cinema, há quem vá dar uma volta sem destino, há quem procure companhia para desabafar as mágoas, há quem se feche num quarto escuro, há quem sinta necessidade de falar, de gritar até por vezes, há quem prefira partir coisas, há quem grite para o vazio, há quem corra, quem ande de bicicleta, quem viaje... Há tantas e tantas formas.
Pessoalmente preciso de céu, de verde, de ar, de água... preciso de ouvir o silêncio gritante da natureza, preciso de olhar o mundo com os olhos belos da natureza, preciso ver o que há de bonito, de alegre, de consolador... preciso de terra... preciso de cheiro a terra molhada, a pinheiro, a alecrim, a flores silvestres, preciso de sol, de chuva, de mar, de ar... preciso de natureza!
É nela que busco energia, é nela que me inspiro, que me acalmo, que me reinvento... é nela que me perco e é nela que me reencontro... é nela que a minha alma se conecta... é nela que me descubro... é nela que o calor da felicidade me abraça...



segunda-feira, novembro 13, 2017

Um passado distante... (excerto)

"(...)E assim preferiu reduzir-se ao silêncio… e por vezes essa memória atormentava-lhe o pensamento e punha-lhe a alma em rebuliço… por vezes odiava simplesmente o facto de ela ter desaparecido sem deixar rasto… odiava não ter conseguido matar a réstia de esperança que acalentou durante anos… odiava que um amor assim tivesse terminado ainda antes de começar…odiava ter sido fraco, ter sido cobarde, não ter sido capaz de arriscar.


Não raramente pensava nela… e pensava no que podia ter sido a história dos dois se ele tivesse ao menos tido coragem… se ele tivesse tido a coragem de ousar viver aquele amor sem ser em sonhos…"



terça-feira, novembro 07, 2017

Todas as pessoas...

Todas as pessoas que entram na nossa vida fazem-no por um motivo… existe sempre uma razão para que alguém cruze o nosso caminho.

Existem pessoas que entram para ficar, por vezes para o bem e por outras para o mal… mas ficam para sempre. São pessoas permanentes que fazem parte da nossa construção enquanto pessoas, que acompanham o nosso percurso, que seguem os nossos passos, que nos ajudam, que nos aconselham, nos amparam ou simplesmente estão ali.

Existem pessoas que entram, ficam um tempo e depois saem…não totalmente porque fica sempre a memória da sua passagem, a marca positiva ou não da sua mais ou menos breve estadia na nossa vida, fica sempre a imagem mais ou menos nítida do bom ou do mau que nos deixaram.

Existem pessoas que saem ainda antes de ter entrado… pessoas que fazem uma aproximação e depois acabam por não entrar na verdade, embora se vão mantendo mais ou menos por perto… são pessoas que não sabem bem o que querem, que não sabem que papel ou que importância estão dispostas a ter… pessoas que ficam a “orbitar” durante mais ou menos tempo e que depois acabam por entrar ou não…


Qualquer que seja o caso todas se cruzam no nosso caminho por uma razão e quando partem todas deixam alguma coisa de si… umas deixam-nos aprendizagens, outras deixam-nos mágoa, outras deixam-nos conforto e saudade, outras deixam apenas vazio e angústia… no fim de contas todas nos ensinam algo, todas deixam uma lição positiva ou negativa, todas nos fazem crescer e evoluir, todas nos fazem quebrar barreiras e explorar limites, todas nos tornam pessoas diferentes…todas são peças do nosso processo construtivo e evolutivo…algumas são pouco mais do que um teste à nossa capacidade de encaixe e aos limites da nossa paciência, outras são verdadeiros suportes para todas as horas...todas trazem um quê de positivo e de negativo… todas são, à sua maneira, relevantes.